Site Overlay

Como nasce o conteúdo?! Com processos de geração de ideias!

As ideias para a criação de conteúdo não estão sempre a surgir em cegonhas… é preciso gerá-las, principalmente se o seu trabalho depende disso! Existe imensa criatividade no mundo, mas quando é confrontado com a necessidade de ter ideias novas diariamente, é perfeitamente normal sentir-se assoberbado.

Queremos tranquilizá-lo e dizer-lhe que existem formas de gerar essas ideias, pois este processo nem sempre é natural e inerente. Na Localstar Media, defendemos os processos para otimizar o trabalho. Assim, também utilizamos estas técnicas para criar conteúdo fresco para os nossos clientes!

Claro que existem sempre “momentos de iluminação”, em que as ideias parece que lhe caem do céu. No entanto, outras vezes, é preciso arrancá-las à força!

Porque precisa de otimizar a geração de ideias?!

O trabalho diário de um criativo, seja numa empresa como a Localstar Media ou noutro qualquer setor, é bastante atarefado. Ainda para mais, se trabalha com estratégias de marketing.

Chega ao seu local ou espaço de trabalho, tem peças publicitárias para criar, scripts para escrever, artigos para compilar, produtos novos para criar… com a pressão de ser algo que chegue e toque ao público-alvo, e claro, gere vendas!

Se depender só da criatividade espontânea, corre alguns riscos como:

  • Não conseguir atingir o público definido;
  • Criar conteúdo ou produtos que na verdade são irrelevantes;
  • Lançar produtos ou conteúdos em timings errados;
  • Entre outros.

Ter um processo definido, permite-lhe chegar a ideias que fluem nas estratégias da empresa, chegam ao público-alvo definido e têm qualidade, ou seja, que são relevantes!

E mais, acrescentamos que estes processos ajudam a fortalecer uma equipa. Por exemplo, um dos seus membros mais talentosos tem de se ausentar por alguma razão, se não tiver um processo implementado, poderá notar-se essa ausência.

Qual é, então, a fonte de criatividade?!

Esta é uma crença já antiga, que os criativos têm fontes inesgotáveis de ideias. Mas não. Não na época em que vivemos. Nem um profissional tem o tempo disponível para tal.

Bem, então, primeiramente, “o que é uma ideia?!” pergunta bem, e respondemos com uma celebre frase do escritor James Webb Young:

“… nada mais do que do que a combinação de elementos antigos.”.

O que significa que, uma ideia, é a desconstrução de elementos na criação de algo novo. E é a ideologia deste autor que vamos partilhar consigo. Young divide a criação de novas ideias em 4 partes simples, que vamos explicar de forma sucinta:

Reunir a matéria prima

Ir à raiz da questão. De forma muito simples, deve saber como os seus produtos ou serviços impactam o dia-a-dia do seu público, ler sobre o setor, reunir material sobre o setor, produto ou serviço. Observar e armazenar a informação, num repositório.

Digerir essa matéria

A junção dos factos e das informações que recolheu, encaixam-se de uma certa forma. É isso que vai descobrir, a relação entre esses factos e esses materiais.

Transporte a matéria para o subconsciente

Depois de pensar sobre a relação entre os factos que descobriu, deve abandonar o processo, e deixar o subconsciente encarregar-se dele. Esta é uma técnica muito utilizada em várias áreas.

“Eureka”

Do nada, uma ideia vai surgir. Poderá estar a tentar adormecer, a tomar o pequeno almoço, a levar os seus filhos à escola, a ideia vai surgir na sua mente, é importante anotar assim que conseguir, para depois se lembrar.

Deste processo antigo, podemos tirar algumas conclusões, entre elas:

  • Como criativo, deve consumir constantemente conteúdo de inúmeras fontes;
  • Ter consciência do processo e trabalhar nele, para melhorar sempre o seu trabalho;
  • A curiosidade não matou o gato, aliás, é a sua melhor amiga!

A relação entre a geração de ideias e a sua estratégia de marketing

Uma parte importante e contínua deste processo é, estar sempre alinhado com a estratégia de marketing da empresa. Esta é a parte que fará com que a sua peça de conteúdo seja relevante e possa atingir ou superar realmente as metas desejadas.

Os pontos relevantes que deve ter em conta e que vamos falar aqui, já os leu noutros conteúdos nossos, relacionados com marketing de conteúdo, portanto não será novidade a sua importância.

  • Quais são os hábitos de leitura da Persona?! Colocar-se no lugar do seu cliente ideal. Passar pelas suas dores, desejos e hábitos. Visitar os blogs, páginas, websites que elas visitam.
  • O que a concorrência está a fazer?! Esta é uma tática também utilizada, se uma marca tem um público semelhante, e se o seu conteúdo funciona bem, inspire-se e esteja atento aos assuntos sobre os quais se debruçam.
  • De que o público está a falar?! Mais uma vez, quando tem uma persona bem definida, sabe onde esta navega nos meios digitais, esteja a par do que está em alta, do que está a gerar interesse.
  • Quais são as tendências nos motores de pesquisa?! Os motores de pesquisa oferecem formas de ver quais são os temas mais pesquisados, ou sobre o que falam as páginas que aparecem em primeiro lugar, esta é uma boa fonte de temas e assuntos relevantes no meio digital.

Quando tem em mente toda a estratégia de marketing de conteúdo, e sabe o que está a ser falado, tanto pelo público, como pela concorrência, as ideias também vão surgir de forma mais fácil.

A nossa técnica de eleição, o Brainstorming!

Aqui está a nossa técnica de eleição, e a que utilizamos sempre que nos é possível. O Brainstorming pode fazer maravilhas para a sua criação de conteúdo, já que é uma forma bastante produtiva de gerar novas ideias.

Esta é uma atividade que pode ser utilizada como modos operandi da sua empresa, mesmo noutros departamentos e, até, ao nível administrativo. É um excelente exercício. Apesar de consumir algum tempo, este tempo é depois recuperado pela rapidez com que o processo criativo flui.

As sessões de Brainstorming têm uma checklist de material e pessoas necessárias:

  • Um moderador;
  • Alguém dentro da empresa (CEO, um administrativo, um colaborador);
  • Alguém dentro do público da empresa;
  • Alguém fora do setor;
  • Post-its;
  • Canetas coloridas;
  • Uma mesa grande ou parede livre.

Esta sessão tem regras, conhecidas posteriormente, por exemplo ,através de email, e é conduzida por um moderador. Este, explica as regras, procede às etapas da sessão, vai pedindo as ideias, organiza-as, e define tempo certo para cada etapa.

Os participantes da sessão vão sentir-se muito mais confortáveis em dar as suas ideias, se estiverem a ser guiados, através de questões e exercícios de raciocínio e conexão.

E os post-its, para que servem?! Boa questão. Os post-its são uma forma de ordenar intuitivamente as ideias que vão surgindo. Assim, é dado um bloco de post-its a cada participante, que vai escrevendo as suas ideias em cada um, e o moderador coloca, na parede ou na mesa, de forma a ser rapidamente visualizado, no tópico da questão.

Ter uma forma de visualizar imediatamente as ideias é importante para despertar as tais associações.

É importante que entenda que este processo serve para gerar ideias novas e inesperadas, não deve criticá-las ou esmiuçá-las na altura. Daqui irão resultar dezenas de ideias, que posteriormente são processadas.

É perfeitamente natural sentir-se assoberbado quando dependem de si para gerar sempre ideias novas e frescas. Para aliviar essa pressão, existem processos, que pode adaptar ao seu negócio e tirar o maior partido deles!

Se tiver alguma questão sobre este ou outros assuntos, deixe-nos a sua mensagem, teremos todo o gosto em responder-lhe 😊

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll Up