Site Overlay

A Semântica e um Google cada vez mais humano!!!

A Semântica e um Google cada vez mais humano!!!

O Google é uma ferramenta omnipresente, não só na vida de todos os marketeers, mas também de todos aqueles que têm um site… e nos dias de hoje quase todos nós temos um site!

E atenção, estou só a falar de um âmbito profissional… se analisarmos na ótica do utilizador, quase todos nós utilizamos o Google para procurar respostas às nossas dúvidas… não me vai dizer que o utiliza o Bing, pois não?! 😉  

Agora pare um pouco e pense! Já reparou que, para além das ferramentas, que são muitas, tudo aquilo que devemos fazer para otimizarmos o nosso site, por exemplo em termos de SEO e de classificação orgânica é, maioritariamente, ditado pelo Google? É ele que nos diz como devemos agir, e como fazer as coisas… da forma que eles querem que façamos!

Realmente, como referi no artigo anterior, o Google tem evoluído bastante, e de uma forma consistente. O facto é que o objetivo da Google é, sem dúvida, tornar o seu motor de pesquisa cada vez mais natural e humano. Acredito que toda a oferta de produtos que dispõe segue o mesmo caminho, mas foquemo-nos nas pesquisas, que é o que nos interessa… para já!

A otimização para os motores de pesquisa, ou SEO, é uma parte muito grande e muito importante do marketing digital… principalmente no marketing de conteúdo. É através desta técnica que, de uma forma orgânica, tentamos direcionar o máximo número de pessoas possível para o nosso site. E, como sabemos, mais visitantes é igual a mais leads, o que é igual a mais clientes, pelo menos de uma forma teórica…

No entanto, ao contrário de tempos “pré-históricos”, encontrar uma palavra-chave e repeti-la muitas vezes, no decorrer do seu conteúdo, já não é suficiente… ou devo dizer que nunca foi! Realmente, eu penso que isto sempre foi uma técnica errada, mas… quem sou eu! 😊

Assim, nos dias de hoje, com um Google direcionado para a I.A., e com a premissa de ser cada vez mais próximo das pessoas, temos de ter vários fatores em conta. Principalmente, se o seu objetivo é otimizar o SEO do seu site, e aparecer na primeira página de pesquisa do Google.

Neste caso, um dos fatores mais importantes a considerar é o LSI (Latent Semantic Indexing).

 

O que é o Latent Semantic Indexing (LSI)?

O que é o Latent Semantic Indexing (LSI)?

Antes de mais, é necessário compreender o que é a Semântica… algo que, estarei certo, é bem presente na vida de todos os copywriters e criadores de conteúdo.

Mas o que é a Semântica?! Bem… literalmente, é a ciência que estuda o significado das palavras, frases ou textos. E o que é que isto quer dizer?! Vejamos…

Se conhecermos o significado ou sentidos dos vocábulos presentes na Língua Portuguesa, conseguimos usar as palavras de uma forma mais correta nos nossos discursos. Certo?! Estou certo de que sim! 😉 Por exemplo, através do uso de sinónimos e expressões, que se enquadrem nos nossos conteúdos, em vez de estar sempre a repetir os mesmos termos, criamos conteúdo mais natural (lembre-se do que referi acima “o Google está cada vez mais natural e humano”). É por isso que o conhecimento da Semântica é tão importante.

Semântica riscado, vejamos os restantes termos utilizados em Latent Semantic Indexing

Aqui não vamos complicar! A Indexação é, simplesmente, a forma que o Google utiliza para identificar, organizar, classificar e listar os seus conteúdos ou páginas do seu site. É graças a indexação que estes conteúdos aparecem, ou não, nas pesquisas do Google.

O termo Latente, por seu lado, se conferirmos no Priberam, é um termo relacionado com algo oculto! Esquisito, não é?! Nem por isso!  O que o Google quer dizer com isto é que irá procurar termos que parecem relativamente ocultos, e verificar a sua relação com o conteúdo em causa.

Se juntarmos as definições destes 3 termos, começa tudo a fazer mais sentido! De uma forma global, o LSI é o processo de análise e classificação, utilizado pelo Google, para estabelecer relações semânticas dentro de um determinado conteúdo e, com isto, determinar a sua posição aquando de uma pesquisa.

Vejamos como é que este conceito é aplicado na prática…

 

Como é que o Google aplica, na prática, o conceito LSI?

Como é que o Google aplica, na prática, o conceito LSI?

Aqui convém viajar um pouco ao passado! Se olharmos para trás, o SEO baseava-se, essencialmente, na criação de grandes quantidades de conteúdo em torno de um determinado tópico ou termo de pesquisa. O que acontecia era que, se no decorrer desse conteúdo, usasse repetidamente um número definido de palavras-chave, o Google identificava o termo de pesquisa e encaminhava os visitantes para esse conteúdo.

No entanto, algumas pessoas começaram a tirar proveito desse sistema! Na maioria das vezes, ao usar as mesmas palavras-chave repetidamente, viciávamos os resultados de pesquisa. O ponto negativo é que isto produzia conteúdos nada naturais e, como seria de esperar, nada humanos! O foco era a conversão e não a pessoa. Um conceito completamente errado… e que o Google não gosta nada!

O Google teve então de se tornar mais inteligente, e assim foi… atualmente, usar continuamente a mesma palavra-chave, provavelmente, só terá impactos negativos!

E é aqui que surge o LSI (Latent Semantic Indexing)! Graças a este conceito, o Google pode, agora, analisar e estabelecer relações semânticas entre palavras, frases e textos, dentro de um determinado conteúdo. Ou seja, para além das palavras chaves, são também considerados os termos semânticos próximos dessas palavras-chave. Por exemplo, imagine que está a escrever um artigo sobre Fotografia… no decorrer do seu conteúdo, se usar palavras tais como: Foto; Imagem; Retrato… o Google irá relacionar estes termos com a palavra-chave “Fotografia”.

Para além disso, o algoritmo por detrás deste conceito, o Rank Brain, também consegue perceber a importância das conjunções adversativas, para a naturalidade de um conteúdo. Ou seja, palavras tais como: Mas; Porém; Contudo; No entanto; Apesar disso; Mesmo assim; etc… são, agora, importantes para a classificação o seu ranking.

 

Como otimizar o seu conteúdo para LSI?

Como otimizar o seu conteúdo para LSI?

Vamos ser diretos aqui… se você já produz conteúdo de qualidade, provavelmente não terá de se preocupar com nada!

A única coisa que tem de se preocupar é continuar a fazer um bom trabalho, e pensar sempre na pessoa do outro lado. Ao focar-se nas pessoas o Google vai, certamente, ajudá-lo! Tão simples como isso…

No entanto, deixo alguns fatores importantes, e que tem de ter em conta aquando da criação dos seus conteúdos. Vejamos…

1º – Identifique a sua PERSONA

Em primeiro lugar, o que tem efetivamente de fazer, é criar um perfil daquela que é a pessoa para quem está a produzir conteúdo… O objetivo aqui é, através da identificação de uma série de parâmetros, atribuir um nome e uma cara à pessoa que será o cliente ideal.

2º – Identifique as suas Keywords e tópicos…

O objetivo passa por construir uma lista de Keywords que, obrigatoriamente, esteja diretamente relacionada com os conteúdos que quer produzir. Para o fazer tem, de alguma forma, “encarnar” a PERSONA que identificou na primeira fase deste processo.

3º – Planeie e prepare os seus conteúdos (não se esqueça dos sinónimos)

Utilize a lista de tópicos, que identificou anteriormente, e defina os conteúdos que vai criar a partir desses tópicos. Durante o planeamento, não se esqueça de alguns detalhes técnicos que menciono aqui, mas mais importante, não se esqueça de fazer um breve trabalho de pesquisa de sinónimos do(s) termo(s) chave, predominante em cada conteúdo.

4º – Produza conteúdos de qualidade

Conteúdos completos, ricos em informação e de leitura confortável e natural é, efetivamente, o que o Google, e as pessoas, procuram! Crie sempre conteúdo relevante, constante, coerente e de valor. O seu objetivo principal deve ser sempre responder a problemas do seu público. Lembre-se, pense na pessoa que está do outro lado!

 

Bem… acabámos, por hoje! No entanto, fique atento que, em jeito de dar continuidade a este assunto, o meu próximo conteúdo vai ser relacionado com Estruturação de Dados (Schema Markup), e até pode ser que tenha uma surpresa! 😉

Não se esqueça, se achou este artigo interessante, subscreva aqui as nossas notificações e, se tiver alguma sugestão ou questão, envie-nos mensagem!

Até breve…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Scroll Up